Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!2 Coríntios 5:17

Frase do Dia

"Eu segurei muitas coisas em minhas mãos, e eu perdi tudo; mas tudo que que eu coloquei nas mãos de Deus eu ainda possuo." Martin Luther King


Soli Deo Glória – “A Deus somente, a glória”, ou a exclusividade do serviço e da adoração a Deus.

Solus Christus -“Somente Cristo”, ou a suficiência e exclusividade de Cristo

Sola Fide -“Somente a Fé”, ou a exclusividade da Fé como meio de Justificação.

Sola Gratia – “Somente a Graça”, ou a única causa eficiente da salvação
Sola Scriptura - "Somente a Escritura"

sábado, 12 de março de 2011

Lição 11 - O primeiro concílio da igreja de Cristo

Texto Bíblico: Atos 15.6-12

Introdução

I. O que é um concílio
II. A importância do concílio de Jerusalém
III. Carta de Jerusalém


GRAÇA: O BENDITO AMOR DE DEUS

Prezado professor, o título da lição desta semana é “O Primeiro Concílio da Igreja de Cristo”. 
Em Atos capítulo 15 surge uma questão de cunho cultural e espiritual: “Para os gentios alcançarem a salvação era preciso se tornar um judeu”? Isto nos faz refletir no que é preciso para se obter a salvação. 

Por isso Professor, introduza o tópico III dizendo que a salvação é proveniente da Graça de Deus. 
A Bíblia mostra que a graça é manifesta pela bondade de Deus. No Antigo Testamento ela significa o “favor de Deus para livrar Israel do povo inimigo” (2 Rs 13.23; Sl 6.2,7); “o perdão de pecados” (Sl 41.4; 51.1); “achar favor aos olhos de alguém” (Gn 30.27; Êx 34.9). O profeta “Isaías revela que o Senhor anseia por ser gracioso com o seu povo” (Is 30.18). O Antigo Testamento enfatiza a graça de Deus demonstrada ao povo da aliança: Israel.      

Em o Novo Testamento a “Graça” é um dom imerecido pelo o que as pessoas são salvas. O apóstolo Paulo é o escritor sacro que mais aborda acerca da graça divina. Ele a demonstra como o evento de salvação na vida do crente (Ef 2.8.) Por conseguinte, a liberdade em Cristo é experimentada na vida daqueles que foram alcançados pela graça de Deus. Por isso, “Graça” é um elemento central das Escrituras onde demonstra a impossibilidade das obras humanas; mas evidencia o amor, a misericórdia, a longanimidade e bondade do Eterno Senhor de nossas vidas. 

Em sua presciência, Deus nos elegeu em Cristo Jesus. Ele nos vida abundante, aniquilando toda condenação ou lembrança do pecado (Hb 10.17,18). 

Prezado professor, conclua este tópico dizendo ao seu aluno que o Concílio de Jerusalém, através do Espírito Santo, reconheceu a Graça de Deus como suficiente à salvação de nossas vidas (15.11 cf.28). Nada, e ninguém, podem impedir a salvação e a liberdade de nossas vidas em Cristo Jesus (Gl 2.4; 5.13). Estas não estão fundamentadas em méritos humanos ou ascetismos, mas somente na Graça suficiente de Deus mediante a fé em Jesus Cristo (Ef 2.8).  

Medite: 
Graça, Graça, 
A mim basta a graça de Deus: Jesus;
Graça, Graça, 
A graça eu achei em Jesus (HC. 205). 

Boa aula!





FONTE:http://www.cpad.com.br/escoladominical/view-subsidios.php?s=54&i=646